19.11.07

familiar

Meu pai tomou veneno de rato, enrolou a corda no pescoço e se matou. Pra nós, só arroz.

Minha tia, cansada do casamento, traiu meu tio com o vizinho, que deu o talento. Se apaixonou. Saiu de casa. Desgraça é que nem banana: vem em penca. Apanhou na cara. Recebeu dois tiros na cabeça. Não morreu. Ficou triste.

Titio, de trabalhador passou a ser frequentador de boteco. Meu irmão, certinho que era, conheceu a vida loca. Eu conheci a coca. Minha mãe enlouqueceu. De tudo que tinhamos um pouco, nada sobrou. Minha familia deixou de ser. Ficou osso.

Meu irmão se tornou peliculoso, matou, roubou, estuprou… Tanto fez que mereceu três tiros dados à gosto. Foi pro saco.

Eu, bonitinha e rechonchudinha, fiquei só costela. Rodei na mão de vários vagabundos. Engravidei. Enfiei citotec garganta abaixo. Vagina acima. Minha vida passou por um fio. Dar a vida é uma parada muito foda.

Tentei abortar diversas vezes. Nenhuma deu certo. O moleque nasceu. Perfeito. Dorme tranquilo lá no berço, despreocupado. Tem a cara do meu irmão. Não o amo, e, quero matá-lo.

8 comments:

gegecena said...

Familiar com tudo o que acontece aqui na rua de cima rsrs
bjs

El zumbidor de las pontes partidas said...

carai tio, mil grau o bagui

Aline Reis said...

Berimba adoro suas poesias cheias de tajédia, me faz botar o pé na realidade quando entro no seus texto.
muitos beijos te adoro muito
aline reis

Kaisa said...

Querido, entre tantas desgraças reais à beleza das palavras compoe sua poesia.
Bjs.

Valéria Araújo said...

Bendita seja a tarde gris de Abril em Sampa quando tive a oportunidade de conhecer o livrinho azul "Feito à mao" que me acompanhou até a Espanha. Sua maneira singular de descrever o cotidiano me encanta. Te linkei em meu blog ;-) e te vou enviar um e-mail. Abraçao!!!

Éverton Vidal said...

E aí mano? Comprei o "apanágio" contigo hoje.. muito legal, muito bom mesmo.
Abraço e boa sorte teus textos são muito phoda mesmo.
Inté!

Cassiman said...

Sabes, que realmente isso me parece Familiar...

Analfabeta Banguela! said...

Ô meu Fí Quanta tragédia... Nessas hora é mió si apegá cum deus, vô na Igreja todo dia e num tem nenhum, nenhum dia que não vejo algum sofredô dessas história, mais se apegando a Deus tudo se resolve e dando o Dizimo ao pastor mais ainda...