26.1.09

cartas de doações

{:::}

é chato de doer os múltiplos
clichês sobre a fraqueza
que primam objetividade
não se contando nos dias
a origem, a renda, a idade,
os valores são descartáveis
e todo o processo do feitio
quando escapa da borda
orienta-se para não sair.


{:::}

uma moça santa
me envolve
num romance
relembrar seus olhos
é ver de novo sua alma
feita de verdades
e misteriosas ligações


{:::}

na despedida
a chegada
com menos gente.

sem telefonemas.

longe de mais
para inventar
outro nascimento.


{:::}

acima de tudo
é preciso ter
a primeira tacada nas mãos
não fosse assim
no labor diário
com o mesmo fôlego
o ano inteiro
não se seria
torneiras salva vidas
entre as rotinas.


{:::}

depois de coçar a cabeça
os pés, os olhos e as mãos
sai de casa.


{:::}

entre a casa e o trabalho
a rotina constante
dos ônibus.


{:::}

os escritos
presos não falam
da solidão
tanto que nunca
depois de livres
deixaram de ser
lápis e papel.

1 comment:

Tiago Mine said...

cadê?
a começar pelas iniciais -póstumo.

no fim
estaremos pior

se começar assim...